sexta-feira, 20 de junho de 2008

ESQUECENDO DAS COISAS QUE FICARAM PARA TRÁS

Não sei se essa é a sua situação, mas o problema da grande maioria das pessoas se encontra no passado. Não são poucos os que vivem em fuga de uma lembrança ingrata, uma decepção inesperada ou um conflito racional não resolvido totalmente, que deixa seqüelas, aparentemente eternas, com marcas profundas na memória (sempre muito viva), de quem as vivenciou. Quantas pessoas vivem amarguradas e atormentadas pelo seu passado, e acabam caindo na depressão.
Há, sem dúvida, muita gente remoendo um passado que não mais existe a não ser na recordação de quem já sofreu. A Bíblia nos diz que o Senhor dos Exércitos não se importa com o nosso passado, desde que lhe confessemos com sincero arrependimento tudo o que fizemos em desacordo com sua vontade. Em Isaías 43:25, encontramos o próprio Deus dizendo: “Eu, eu mesmo, sou o que apago suas transgressões por amor de mim, e dos teus pecados não me lembro”. Contudo, se Deus, o Criador, dá-nos paz ao lhe confessarmos nosso passado, não é assim que sucede com respeito ao Diabo.
O inimigo de nossas almas age para tentar tirar a paz de quem quer viver bem no presente. Por isso mesmo, ele se esforça por trazer o passado para o tempo atual. Uma das formas de ele conseguir seu intento é operando na pessoa através de sua estrutura emocional. A dúvida, como no Éden, é lançada: “Como você sabe que está perdoado?”, “Quem lhe pode assegurar que um dia Deus não cobrará tudo de ruim que você outrora já fez?” “Como você está perdoado se não sente nada? Ou ainda: “Será que vou conseguir superar esse obstáculo “.
A Bíblia não diz em parte alguma que precisamos sentir o perdão para sermos perdoados, mas tão somente que confessemos o pecado, com arrependimento contrito, em nome do Senhor Jesus. Se mesmo após a confissão eu não sentir, ainda assim posso dizer: “Eu sei que fui perdoado pelo Senhor, porque a Sua Palavra diz que fui, independentemente de minhas emoções”. Deus nos perdoa, ainda que muitas vezes não sintamos concretamente o efeito emocional da anulação divina da dívida eterna do pecado. A Palavra nos exorta a confiar no Senhor, pois Ele é o nosso socorro e fortaleza. É exatamente aí que o Diabo inicia o seu trabalho de opressão. Ele diz: “Você não
sentiu perdão, portanto não foi perdoado”. Após ser lançada a dúvida, a memória se encarrega constantemente de fazer o passado reviver.
O cartunista Johnny Hart expressou, em um dos seus cartuns, que o homem, que vive no passado, perde o futuro presente. Deus não quer que percamos o nosso futuro no presente por causa de um passado que teima em nos perseguir. Corrie Ten Boom, a holandesa cristã, presa por organizar e liderar uma unidade de esconderijo para ajudar os judeus a escaparem dos campos de concentração nazistas, já dizia que Deus quando nos perdoa, lança nossos pecados num lago profundo e põe uma placa, na margem, com os dizeres: “É proibido pescar”. Por conseguinte, deixemos o passado no passado. Lembremo-nos de esquecer o que já ficou para trás, pois, “se alguém está em Cristo, é nova criatura: as coisas antigas já passaram eis que se fizeram novas”.
Lance sobre Deus todas as suas ansiedades e Ele terá cuidado de você (1 Pe 5:7), não viva trazendo à memória as coisas amargas do passado, mas procure rememorar aquilo que lhe pode dar esperança. Reflita na magnífica orientação do Apóstolo Paulo em Filipenses 4:8, e o Deus da paz será com você.

Rev. Liberato

0 comentários: