quinta-feira, 25 de junho de 2015

POR QUE FERIMOS AS PESSOAS QUE AMAMOS

Tiago 4: 1-10
A questão, levantada por Tiago há mais de dois mil anos, ainda é pertinente em nossa sociedade: "Donde vêm as guerras e contendas entre vós?". Por que nossas crianças entram tão cedo no mundo do crime? Por que os maridos espancam suas esposas? Por que os filhos causam mal os pais e estes maltratam os filhos? Por que temos a tendência de ferir aqueles que dizemos amar?
No livro, “O Amor tem que ser firme”, James Dobson registrou uma ilustração que demonstra claramente como estas questões afetam a sociedade. Ele conta a história de um professor, da sexta série, que deu uma atribuição à sua classe. Cada aluno foi convidado a completar a seguinte frase: “Eu desejo...”. O professor esperava que as crianças expressassem desejos tais como: bicicleta, cães, televisão, viagem e outros. Mas em vez disso, vinte das trintas crianças fizeram referência, em suas respostas, algo que demonstra a desintegração da família. Algumas das respostas: Gostaria de que meus pais não brigassem; de que meu pai voltasse para casa; de que minha mãe não tivesse um namorado; de ter um pai e uma mãe para que meus colegas não zombassem de mim; de ter um rifle M-1 para atirar naqueles que zombam de mim.
            Embora Tiago tivesse em mente os conflitos na congregação, agressão e divisão (o que ainda hoje ocorre) suas palavras aplicam-se igualmente à família, que pratica a violência e está despedaçada. As mesmas paixões que levam a disputas na igreja estão presentes na raiz dos conflitos em todos os segmentos da sociedade. Assunto do coração, seja contra Deus, o cônjuge ou  o semelhante, Tiago nos ajuda a entender a questão.
            É um problema lá no princípio, quando nossos pais Adão e Eva pecaram, no Éden,  e a Bíblia afirma que eles morreram. Tornaram-se criaturas autossuficientes, separados da vida de Deus. Desde então, procuraram encontrar vida dentro de si mesmos, satisfazer seus próprios desejos. O desejo de ser alguém, de ter segurança, de ser amados, de fazer algo de valor. Em vez de descansar e contentar-se com suas necessidades supridas por Deus, entraram numa luta interior para encontrar vida onde não existe.
            O homem é incapaz de suprir seus desejos por si mesmo, e isso o leva à frustração e hostilidade. Tiago diz: “Cobiçais e nada tendes; logo matais. Invejais, e não podeis alcançar; logo combateis e fazeis guerras. Nada tendes, porque não pedis.” Frustrado por pessoas e circunstâncias, agride aqueles que o rodeiam. Torna-se disposto a ferir e destruir para ter seus desejos saciados. Todos estão competindo pelas mesmas coisas, assim fazem de tudo para eliminar a concorrência.
            Tiago nos mostra que, enquanto olhamos para a realização da vida em qualquer outra fonte que não seja Deus, o conflito nunca cessará. Nunca vamos contentar-nos com o que somos, temos, onde estamos, e o que temos feito. Continuaremos frustrados e consequentemente machucamos até mesmo aqueles que mais amamos.
            O homem é tão egoísta que sua oração em vez de ser uma rendição ao plano e propósito de Deus é meramente uma busca da satisfação dos seus próprios desejos. Se Deus atendesse a maioria das nossas orações fortaleceria, ainda mais, a nossa soberba e vaidade.
            Como você completaria esta frase: “porque para mim o viver é .....” A vida para você é definida como meta, trabalho, posse, fama? É o cumprimento de todos os seus desejos ou é Jesus Cristo. Viver e servir como Ele, depender dEle em tudo que necessita, ou você ainda está lutando para atender às suas próprias vaidades, com luta, guerra, esmagando a concorrência?

            Tiago encerra o nosso texto dizendo: “Humilhai-vos perante o Senhor, e ele vos exaltará.” Quando aceitamos esta recomendação, admitimos que uma vida satisfatória é impossível sem Deus. Então, Ele transforma nossos corações e alinha a nossa vida, entendemos que a nossa luta não é contra pessoas, cessarão os nossos conflitos e deixaremos de ferir aqueles que amamos. Concluiremos que não seremos totalmente satisfeitos enquanto não vivermos exclusivamente para o nosso Deus.
                                          Rev. Liberato Pereira dos Santos

2 comentários:

Fatima Luiz disse...

Verdadeiramente o resultado de tanta insatisfação na nossa vida é a falta de uma total dependência do Senhor Jesus em nossos projetos...pois na maioria das vezes só queremos e satisfazer o nosso ego sem medir as consequência do que pode acontecer.por isso vivemos numa sociedade mesquinha ,sem limites numa total depravação.

Fatima Luiz disse...

Verdadeiramente o resultado de tanta insatisfação na nossa vida é a falta de uma total dependência do Senhor Jesus em nossos projetos...pois na maioria das vezes só queremos e satisfazer o nosso ego sem medir as consequência do que pode acontecer.por isso vivemos numa sociedade mesquinha ,sem limites numa total depravação.