terça-feira, 8 de julho de 2008

APRENDENDO A ANDAR COM OS IRMÃOS

A vontade de Deus é que vivamos numa família, o lugar por excelência para que experimentemos o relacionamento saudável uns com os outros. Queremos afinal um clube ou uma família? Assim, com uma visão distorcida dos relacionamentos destruídos em suas casas, as pessoas vêm para a igreja e pensam que, nela, deve ser do mesmo modo. Pais que sabem apenas condenar seus filhos e nunca lhes manifestam nenhuma expressão de carinho. Por outro lado, pais que não criam seus filhos sob a disciplina e admoestação do Senhor. Filhos que não obedecem aos pais nem lhes pedem nenhuma orientação. Anciãos e jovens que não aceitam nenhum parecer ou ensinamento de alguém mais experiente ou sábia. Pessoas que vivem totalmente para si mesmas, isoladas das outras.
O texto de João 12:24-25 fala-nos de duas coisas importantes: ANDAR SOZINHO: é típico daquele que não morreu para si mesmo, que busca seu próprio interesse, é egoísta. Levanta barreiras para se defender das pessoas, não aceita ajuda para suas fraquezas, apresenta uma falsa imagem, não compartilha suas necessidades. Quer conquistar por si só e mostrar como tem valor. Não morreu para si mesmo, não consegue interagir com outros, e, com efeito, tampouco produzir frutos. Quantos hoje caem porque não têm com quem abrir o coração, em quem confiar e quem os levante. O ANDAR COM OS IRMÃOS: Somos parte de um mesmo corpo (Rm 12:5). Os que não consideram suas vidas e alvos como a coisa mais importante, porque estão mais preocupados em AMAR e SERVIR a outros, vão dar muito fruto e preservar suas vidas eternamente. Para haver frutos, deve haver renúncia. Para andarmos uns com os outros, temos que:
COMPARTILHAR NECESSIDADES BÁSICAS e RECEBER PROTEÇÃO: Quando conhecemos as necessidades básicas uns dos outros, encontramos proteção e cobertura, descobrimos o caminho para supri-las, e nos sentimos felizes em poder ajudar. Ganhamos o senso de pertencer a um grupo. Sentimo-nos valorizados, porque somos amados ao receber ajuda, ou porque amamos, oferecendo cooperação. Em vez de sermos expostos à reprovação e envergonhados, encontramos auxílio e proteção mútua pela oração, intercessão, aconselhamento, suprimento material. Não estamos mais sós, e o inimigo não pode nos surpreender, somos um exército lutando todos em favor de cada um no nome de Jesus.
TER DISCIPLINA: devemos satisfação uns aos outros em amor. Tudo o que fazemos agora se reflete também em nossos irmãos, não somos uma ilha. Necessitamos praticar os mandamentos recíprocos (Rm 12 a 15). Não podemos andar desordenadamente. Paulo entregou um desordenado ao diabo para que houvesse uma chance de salvação (1Co 5:5). Somos membros uns dos outros e importantes uns para os outros.
VALORIZAR E RESPEITAR NOSSO IRMÃO: entendemos que cada um tem valor, que somos todos filhos do mesmo Pai. Somos uma equipe e precisamos do nosso irmão em campo conosco. Na hora do gol, ele é quem vai fazer o “passe” para você. Precisamos uns dos outros. Não nos concentremos nas falhas, mas nas virtudes. Antes de comentar as falhas de alguém, cite três virtudes de seu irmão. Entenda que cada um tem um limite. Respeitemos os limites. Pais, filhos, esposas, têm limites diferentes, em áreas distintas. Jamais enterre o talento por achar que você é muito limitado e não consegue nenhum êxito naquilo que faz. Todos podemos ser produtivos no Senhor e dar muito fruto. Nosso trabalho não é vão, quando feito para o Senhor.
CULTIVAR COMUNHÃO COM OS IRMÃOS: 1 Jo 1:7 fala de andarmos na luz. Não quer dizer que nunca vamos cometer erros, mas vamos repará-los e pedir perdão. Quando erro e sou corrigido, estou sendo aperfeiçoado, fortalecido, abençoado, apoiado. Sei agora como não errar mais. Se sabemos que nosso irmão tem algo contra nós, devemos ir até ele e eliminar as barreiras, em vez de esperá-lo vir até nós (Mt 5:23-26). As barreiras já foram desfeitas em Jesus, de modo que não precisamos ter pendências com ninguém. A Palavra de Deus diz: “A ninguém fiqueis devendo coisa alguma, exceto o Amor com que vos ameis uns aos outros...” (Rm 13:8-a). Devemos ter a iniciativa de andar na luz, na paz e na verdade com todos.
Fomos feitos para andar em comunhão e produzir muito fruto. Isto envolve o aspecto prático de nos EDIFICARMOS mutuamente (abençoarmos, ajudar, auxiliar) e nos MULTIPLICARMOS, alcançando outros que ainda não experimentaram o poder da vida do Corpo de Cristo. Isto começa em nossa família, na convivência com os nossos parentes mais próximos, e se estende aos demais que de nós se aproximam. Vamos ESCOLHER e DECIDIR andarmos juntos, atentando para as ponderações aqui registradas.
Rev. Liberato

0 comentários: